Duarte

É do Sporting. Toda a família é do Sporting, por isso foi criado assim. Embora goste do clube, não é um grande aficionado. Mas é o suficiente para gostar do Montero – nos seus melhores dias – e de lembrar o Liedson com saudade.

Recorda, de forma transparente e pura, de ter dois anos e estar a brincar com a mãe, num parque infantil. Haviam uns tubos de betão por onde passeava a sua imaginação. Não sabe porquê, mas é algo que está gravado de forma profunda na sua memória.

À pergunta ‘qual a diferença entre viver e existir’ responde com serenidade: “Podemos existir sem sentir nada. Existir é apenas uma presença… Para viver temos de aproveitar essa existência”.

Prefere acreditar que vive mais do que existe.